Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Extensão Universitária

Projeto de horta agroecológica contribui com merenda escolar em Sacramento

Imagine chegar em uma escola com 240 alunos do ensino fundamental e encontrar a produção da horta comunitária sem cuidado adequado para aplicação de agrotóxicos? Essa foi uma das preocupações que levaram uma equipe do curso de Licenciatura em Educação do Campo da UFTM a desenvolver o projeto de extensão universitária Horta Agroecológica na Escola Municipal Dona Maria Sant'Ana, no povoado de Quenta Sol, município de Sacramento. A escola recebe estudantes de várias comunidades vizinhas como Sete Voltas, Pinheiros, Desemboque, Santa Bárbara, Olhos d’água e Bananal. O projeto conta com duas alunas da graduação, Edilene Resende, bolsista, e Daucileli Garcia, voluntária, ambas moradoras das comunidades atendidas pela escola. O professor Rodrigo Crepalde é o coordenador do projeto e a professora Daniele Cristina de Souza é a vice-coordenadora. O órgão financiador é a Pró-reitoria de Extensão Universitária da UFTM.



No primeiro momento, a equipe da UFTM levantou as melhores variedades de hortaliças para o plantio, época do ano, solo, possíveis pragas, medidas agroecológicas sem custos, dentre outras. Após essa etapa inicial, foi organizada a coleta de doações de matérias-primas para construção da horta, como estercos, sementes e mudas e, em seguida, iniciou-se a etapa de construção. De forma integrada com a professora de ciências, foram construídos momentos de ensino-aprendizagem relacionados às práticas agroecológicas por meio de discussões em sala de aula, exibição de filme, visita e construção de canteiros da horta por parte dos alunos do ensino fundamental.

Também foram desenvolvidos dois plantios com rotação de cultivo de variadas espécies: alface, brócolis, repolho, chuchu, beterraba, bálsamo, arruda, erva-cidreira, cebolinha, jiló, pimenta, rúcula, couve e couve-flor. A cada colheita, as hortaliças são distribuídas para a cantina da escola e são incorporadas na merenda.



"Acreditamos que por meio da horta agroecológica possamos promover o resgate dos conhecimentos relativos ao cultivo da terra, o diálogo entre os saberes científico e tradicional, a reflexão sobre a alimentação livre de agrotóxicos e o engajamento teórico-prático da comunidade escolar em torno de uma atividade extencionista, assim, aproximando universidade e escola", afirmou o professor Crepalde.

Resultados

Com relação aos trabalhos na horta, as hortaliças não desenvolveram nenhum tipo de praga. "Pelo contrário, estão com ótimo desenvolvimento sem o uso de defensivos químicos e apenas com o uso de adubo orgânico e o manejo periódico. Os resultados em sala de aula foram bem satisfatórios, os alunos estão interagindo bem com os estudos, com excelente participação", explicou o coordenador do projeto.



Edilene apreciou a dedicação dos alunos do povoado. "Eles foram conosco para horta, ajudaram a preparar canteiros, colocaram esterco fermentado na terra para que esta ficasse preparada de modo natural para receber as mudas adequadamente, semearam e plantaram. O projeto foi um trabalho de muito aprendizado e prática concreta de interdisciplinaridade com os alunos do oitavo ano”.

Daucileli comemora a melhora na alimentação da comunidade. “Nós resolvemos escrever um projeto para a escola, pois a horta existente não recebia um cuidado adequado. Na comunidade há um uso abusivo de agrotóxicos. Conseguimos contribuir quanto à conscientização dos malefícios do uso desses agroquímicos e apontar caminhos alternativos para uma alimentação saudável a partir de práticas agroecológicas. Todos alimentos produzidos na horta foram destinados à merenda escolar”.


Fotos: Divulgação/UFTM

 

0
0
0
s2sdefault
Fim do conteúdo da página