Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Solenidade marca a abertura do Dia C da Ciência na UFTM

Publicado: Quarta, 25 de Outubro de 2017, 13h35

A UFTM, em sintonia com as instituições de ensino superior do país, realiza o Dia C da Ciência, uma iniciativa das universidades e dos institutos tecnológicos que desenvolvem pesquisa para sensibilizar e informar a população que, além de formar recursos humanos qualificados, essas instituições são responsáveis pela produção de aproximadamente 90% do conhecimento científico no Brasil.

Em solenidade realizada na manhã desta quarta-feira, 25, a reitora Ana Lúcia de Assis Simões abriu o Dia C na UFTM, que tem uma programação intensa com atividades em diferentes espaços da Universidade e na cidade de Uberaba. Integraram a mesa de honra da solenidade o vice-prefeito de Uberaba, João Gilberto Ripposati; a secretária Municipal de Educação, Silvana Elias; os pró-reitores de Pesquisa e Pós-Graduação, Darlene Mara dos Santos Tavares, que coordenou os trabalhos para realização do Dia C; de Ensino, Wangner Roberto Batista; de pós-graduação, Luciana de Almeida Silva Teixeira; a secretária adjunta de Desenvolvimento e Turismo de Uberaba, Anne Roy Nobrega; Keila Cristina Telles Furtado, representando a Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba; e professor Daniel Ferreira da Cunha, representante do superintendente do Hospital de Clínicas da UFTM.

Reitora abre o Dia C na UFTM

Ao abrir o Dia C, a reitora Ana Lúcia fez uma reflexão sobre a missão da Universidade, que é "produzir e disseminar conhecimentos e formar profissionais qualificados técnica, científica e humanamente para atender às demanda da sociedade", e o que significa isso neste Dia da Ciência."Cabe às universidades a produção do conhecimento científico, de novas tecnologias e de inovação, e neste dia estamos tentando disseminar para toda sociedade esse importantíssimo papel das universidades, que muitas vezes não é salientado, que é a faceta da produção do conhecimento científico. No Brasil, a grande maioria das pesquisas são desenvolvidas dentro das universidades, especialmente dentro das universidades públicas", ressaltou.

E para que a produção aconteça com qualidade, que traga resultados que possam ser aplicados no dia a dia das empresas e dos serviços e gere consequência positiva para a vida das pessoas, faz-se necessário um financiamento adequado, justo, digno, lembrou a Reitora. "Fazer pesquisa de qualidade não é barato, isso tem um custo. E enquanto instituição pública esse financiamento vem, na sua grande parte, dos órgãos públicos, das agências de fomento".

E ao falar sobre a crise do financiamento da produção científica no país, que tem preocupado muito os gestores das universidades, afirmou "sabemos que a curto, médio e longo prazo veremos os impactos negativos que esse subfinanciamento vai provocar na produção científica. Se hoje temos o conhecimento de tratamento e cura para as doenças, se temos o avanço nas comunicações, no transporte, melhoramentos na agropecuária, isso tudo foi possível porque pesquisadores se preocuparam e foram atrás do conhecimento, e esse conhecimento produzido, especialmente no seio das universidades, tem sido colocado em prática na sociedade. A nossa vida cotidiana está influenciada por algum resultado de pesquisa que foi incorporado na prática e na vida das pessoas".

Neste sentido, o dia de hoje surge com esse propósito de divulgar, de apresentar para toda sociedade a importância do desenvolvimento das pesquisas, a importância que as universidades e os institutos federais de pesquisa têm em desenvolver estudos que vão impactar positivamente na qualidade de vida de toda a população, enfatizou a reitora Ana Lúcia que destacou também o papel de multiplicadores de cada um.

"Investir em ciência, em tecnologia e em inovação é o caminho, é a solução para as mazelas que temos no nosso país", afirmou a reitora Ana Lúcia que convocou a todos a se unirem em defesa da ciência e tecnologia. Que a mobilização do Dia C da Ciência, que acontece nacionalmente, possa sensibilizar efetivamente aqueles que são detentores do poder e os grandes responsáveis por direcionar os investimentos e os recursos captados no  país. 

Presença e atuação da UFTM

Presente na solenidade, o vice-prefeito Ripossati reconheceu a importância da contribuição da Universidade para ciência e tecnologia, sua presença como âncora no Parque Tecnológico de Uberaba, pelo papel de interface que desempenha entre governo, setor empresarial e sociedade por meio das incubadoras, na pesquisa em parceria com outras insitituições como Epamig e Embrapa, na área de saúde, da educação, da paleontologia. E conclamou a UFTM, com todo seu patrimônio de ciência, a integrar o projeto "Farmácia Viva, Fitoterápica", aliando os conhecimentos da cultura popular e da ciência para a produção de novos medicamentos.

A secretária Municipal de Educação, Silvana Elias, agradeceu a UFTM pela sua atuação, pela diferença que a Universidade faz para a cidade, onde se pode ver os reflexos da educação e do conhecimento que nela se constroem em vários campos e dimensões do município, bem como na área política. Agradecemos porque "pudemos ver nascer uma outra Uberaba, um pouco mais fora dos muros, puxada pelas mãos da Universidade Federal do Triângulo Mineiro", afirmou.

Ao falar da intensa programação prevista para o Dia C em vários espaços, agradece as parcerias firmadas e o empenho de todos que trabalharam para realização do Dia C da Ciência, a pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, Darlene Tavares, destacou que o momento é de celebrar. "Celebrar a pesquisa, valorizar todas as pesquisas e pesquisadores, sejam aqueles do ensino médio, do ensino fundamental, de iniciação científica, de pós-graduação. Todos têm o seu valor, a sua importância, e todos têm contribuído para o desenvolvimento desse país. Não podemos perder a oportunidade, perder a chance de ser um país cada vez mais autônomo, desenvolvendo e produzindo conhecimento sobre a nossa realidade."

E ao ressaltar o propósito do Dia C, a pró-reitora Darlene afirmou "estamos vivenciando um momento coordenado em todo o Brasil, em que queremos nos aproximar cada vez mais da comunidade, queremos que seja visto pela comunidade o trabalho de pesquisa desenvolvido dentro dos muros da Universidade, mas nada disso teria valor se não fosse revertido para a melhoria da condição e qualidade de vida das pessoas".

Ciência, Tecnologia e Inovação

Após a solenidade de abertura, o professor Virmondes Rodrigues Junior, docente da Universidade, reitor da UFTM no período de 2005 a 2014, presidente, desde  janeiro deste ano, do Conselho de Curador da Fundação de Amparo a Pesquisa de Minas Gerais - Fapemig, proferiu palestra sobre a importância da ciência para o desenvolvimento do país e o financiamento da pesquisa.

Ao iniciar sua fala, o professor Virmondes fez questão de afirmar que sua apresentação foi remodelada motivada pelo vídeo que alerta "Ciência não é gasto, é investimento" e pelo perfil jovem do público presente, como a presença dos alunos da SUPAM.

Ao fazer analogia com outras datas comemorativas, professor Virmondes destacou a importância do Dia C. "Escolheu-se hoje o Dia C da Ciência, mas ciência se faz todo dia. O Dia da Mães é todo dia, mas a gente só comemora no segundo domingo de maio. O dia dos pais é todo dia, mas só comemoramos no segundo domingo de agosto. Então, o Dia da Ciência e Tecnologia, para quem faz ciência, tecnologia e inovação é todo dia. E hoje a gente se sente importante porque estamos sendo lembrados em nível nacional. É importante a gente ser lembrado porque ninguém lembra daquilo que recebe mais ou menos de graça. "E enfatizou, "vou mostrar para vocês o quanto a gente depende de ciência, de tecnologia e inovação, principalmente para os jovens. A gente está tão acostumado com a tecnologia que nós não percebemos a importância dela."

Durante a palestra, com vários exemplos e situações, o professor Virmondes foi demonstrando como a ciência, a tecnologia e o avanço tecnológico fazem parte do cotidiano. Falou também da  formação de pesquisadores, da situação da produção científica e da inovação no Brasil, da importância dos investimentos em pesquisa e os seus resultados, das redes de colaboração que proporcionam compartilhar conhecimento e o avanço da produção científica.

E ao finalizar sua palestra, o professor Virmondes afirmou "Temos que nos mobilizar, não podemos ficar em silêncio, porque isso significa uma  perda muito grande para o país. Se essa política de subfinanciamento da ciência e da educação permanecerem, vamos ficar cinco anos, dez anos com prejuízos. Esse buraco será difícil de ser tapado, vai ser uma cicatriz, e nós não podemos ter cicatrizes profundas. E isso é uma escolha nossa, os homens e mulheres que estão lá definindo o nosso futuro, fomos nós que os escolhemos, então temos o direito de pedir a cada um deles que faça aquilo que a sociedade julga melhor para ela mesma".

Durante todo o Dia C  da Ciência, a UFTM espera um público entre estudantes de graduação e pós-graduação, professores, pesquisadores, profissionais de todos os setores, além da sociedade civil interessada, e de mais crianças e jovens dos ensinos Fundamental e Médio para participarem das atividades programadas.

Fotos: Elioenai Amuy/UFTM


0
0
0
s2sdefault
registrado em:
Fim do conteúdo da página